lunes, 5 de enero de 2015

(Portugues) "Começos e Finais" Kuthumi Lal Singh- Marisa Calvi



Começos e Finais

Apresentando Kuthumi Lal Singh canalizado por Marisa Calvi
Assistida por Joep Claessens

Tradução de Jana de Paula

Show de encerramento de "Sentindo-se Bem" transmitido pela Awakening Zone - 12 de Dezembro de 2014

Marisa e Kuthumi ficam felizes por esta canalização ser traduzida e compartilhada, desde que nada seja cobrado, em dinheiro ou taxas, e os devidos créditos sejam dados à fonte.

Outras transcrições estão disponíveis no link http://newenergywriting.com/project/awakening-zone-transcripts/  -  © Marisa Calvi 2014

*   *   *

É Tempo de Kuthumi! na Awakening Zone,  “Sentindo-se Bem ” 12 de Dezembro de 2014, apresentando KUTHUMI LAL SINGH, canalizado por Marisa Calvi


MARISA: Antes de nos dirigirmos a este derradeiro episódio de Sentindo-se Bem, tenhamos um tempo para tomar uma respiração profunda. Uma respiração profunda para convidar nossa alma para mais perto, para dar as boas-vindas ao Eu Deus dentro de todos nós. Cada respiração consciente é um belo lembrete de que alegria e facilidade e graça são nosso direito. Da grandeza da qual somos dignos. Cada respiração é um lembrete a todos os aspectos e partes de nós mesmos de que agora é tempo da iluminação. Agora é o tempo de ser completo e, em cada vez que paramos e tomamos esta respiração consciente, permite esta expansão e se torna muito mais.

Respire profundamente na majestade dos criadores que todos vocês são. Ouvindo aqui e se reunindo a mim e a Kuthumi na alegria de compartilhar com você.

Respire profundamente e lembre-se que você é o criador de sua experiência. Respire profundamente e peça por mais.

(pausa)

Eu chamo este programa de Sentindo-se Bem, porque é isso que eu quero que a vida seja para mim; e quanto mais retorno à simplicidade de escolher esta vida e escolher as experiências através de minha vida, quanto mais me permito sentir o amor e a alegria de estar aqui e ser um humano com mais alma, mais maravilhoso e surpreendente este mundo se torna.

(pausa)

Assim, inspire. Convide mais do que é se sentir bem para você. Bem aqui neste momento do Agora, o passado se foi, o futuro não existe. É apenas este momento entre você e sua escolha.

(pausa)

E eu escolho me sentir bem.


Então, sim, hoje é a última vez que vou canalizar Kuthumi aqui, na Awakening Zone, mas nós vamos continuar depois deste mês. Eu vou lhes dizer mais sobre isso mais tarde. Mas, primeiro, vamos dar as boas-vindas àquele que tem sido parte tão importante disso. Por todo o caminho até o Colorado, nós temos Joep Claessens.

Então, Joep, olá e bem-vindo mais uma vez e obrigada por nos ajudar.

Joep tem sido um grande suporte – ele levantou a mão e disse que estava disposto a ajudar em nossos shows, e foi o que realmente me permitiu fazer a canalização, porque quando nós começamos a canalizar eu o fazia de olhos fechados. E eu não poderia realmente executar as funções no estúdio com meus olhos fechados. Assim, muitíssimo obrigada por estar aqui de novo para nos ajudar com isso. Nós realmente agradecemos por isso.

JOEP: O prazer é meu.

MARISA: Sim. Então, Kuthumi finalmente me levou para a India e foi uma experiência muito forte para mim, pessoalmente. Vamos então compartilhar algo sobre isso, também, durante a canalização.

JOEP: Mas talvez para as pessoas que não seguem você no Facebook e não viram todas as imagens que você postou lá e a breve atualização... Você poderia falar um pouco sobre a jornada? Quando isto aconteceu? Onde você foi?

MARISA: É claro, é claro. É uma ótima ideia. Isso era algo para o que Kuthumi meio que vem me empurrando por eras, para ir até lá, e eu vi que eu tinha que ir lá, porque nesta vida, para mim, era um lugar para onde eu sabia que, eventualmente, teria de ir, em algum momento. Mas foi sempre um lugar que eu fui adiando conhecer. E eventualmente um monte de gente quis me organizar passeios ou que eu fosse com Kuthumi e fizesse canalizações de Kuthumi lá. Eu tinha decidido com outra pessoa planejar isso e foi quase - foi realmente difícil dar a partida daqui da Austrália.

E eu tive essa percepção de que a única maneira que me permitiria saber para o que eu estava indo, e para ser realmente capaz de fazer as coisas lá, com as pessoas, era de precisava estar lá, pessoalmente, pela primeira vez. Eu precisava estar lá e encontrar as pessoas e conversar com elas diretamente para poder organizar qualquer coisa. E esta era uma forte preocupação que eu tinha. Muito forte.

Foi realmente engraçado. Eu me orgulho de ser uma pessoa muito organizada. Sou incrivelmente prática e já viajei muito. Então, para eu organizar uma viagem é fácil. Imprimi os tíquetes. Peguei meu seguro-viagem. Organizei meus hotéis. Mas, esta foi o tipo de viagem em que, se alguma coisa tinha que dar errado, o fez com antecedência.

Foi muito incrível. Mesmo coisas como reservar estacionamento no aeroporto, nem mesmo essa coisa básica consegui fazer direito. E pequenas coisas me deram conta que não reservei as datas certas. Foi muito louco e todo o tempo eu pensava:  “Talvez eu não deva ir. Nada sai direito”.

E mesmo se dois dias antes alguém tivesse me tocado e dissesse “Você não pode ir” ou mesmo seu eu quebrasse a perna, teria sido realmente um alívio. Foi simplesmente incrível. E normalmente eu fico ocupada com o excitamento de ir.

E eu pousei no país e foi realmente engraçado. Um monte de gente tinha me dito antes - Kuthumi conta esta estória muito engraçada sobre que ela amava a Índia. Era um dos seus lugares favoritos em todas as suas vidas, e ele escolheu despender muito tempo lá em sua última vida de iluminação completa.

E ele conta a estória de como um dia ficou doente e ficou três dias no banheiro de seu quarto de hotel vomitando e com diarreia. E as pessoas brincaram comigo “Você pensa que também terá essa experiência, porque, você sabe, talvez Kuthumi queira que você veja como isso se parece?” E eu estava realmente desejando que não e eu realmente pensei que pudesse me permitir minha própria experiência.

Bem, de qualquer forma, eu padeço de um enjoo de viagem bem ruim e ao longo dos anos aprendi que amar a mim mesma completamente é me medicar quando tomo um avião para não ser afetada pela turbulência ou quedas de pressão. Assim, no primeiro trecho de Sidney à Cingapura, eu tomei os remédios que achei que devia tomar e foi tudo bem. Daí fiquei um pouco metida e não tomei os remédios no trecho de Cingapura à Índia e fiquei muito doente. Muito doente. E realmente cheguei ao ponto tal de mal-estar, que pensei que quando saísse da aeronave precisaria por para fora o pouco de comida que restava em mim para ajudar a melhorar meu estomago.

Então, saí da aeronave, corri para o banheiro e lá estou eu, fabulosamente de joelhos, vomitando meus primeiros cinco minutos na Índia - de fato, dez minutos -, de joelhos, diante da privada, vomitando. E estou aqui e eu meio que, certo, era o que eu precisava para me apoiar e levar meu corpo de volta ao equilíbrio. E  Kuthumi apenas riu e veio com essa “Bem, não é ótimo que já pusemos isso fora do caminho?”. (Marisa ri).

Daí, pensei que esta foi minha primeira pequena pista. E no minuto que estávamos dirigindo no meio do caos do tráfego, eu imediatamente me senti absolutamente em casa. E o único outro lugar em que me senti assim foi na Escócia. E qualquer um que conheça remotamente algo sobre estes dois países sabe que são eles são polos opostos um do outro. Assim eu apenas não questionei isso, porque quando a gente se sente em casa não é sobre o ambiente. E apenas algo muito mais profundo.

Assim fiz uma canalização – estava com alguns amigos e nós fizemos uma pequena canalização, e ele realmente nos convidou a ir dentro de nossa alegria, a ir e tomar, realmente, estas partes profundas de nós mesmos que queriam experimentar alegria. E eu recebi isso imediatamente. Assim, para mim, em toda a viagem, toda vez que eu retornava a esta bela respiração, era lembrada disso. E a outra coisa que ele fez com antecedência foi me dizer para realmente fazer desta uma aventura da alma. Realmente aproveitar este tempo, todos os dias, para realmente chamar minha alma para dentro.

E eu sei que isso é fácil de fazer quando se está distante de trabalho e família e de sua rotina principal, mas, porque eu escolhi de forma muito profunda mesmo antes de ir e constantemente re-escolhi enquanto estava de viagem, tornou-se uma parte natural do que eu queria ser. E continuou me mostrando tanta alegria e amor que não passou, desde que cheguei em casa (ela se engasga).

JOEP: Incrível.

MARISA: E serei honesta com você, quando cheguei em casa, havia um medo profundo de que isso me deixasse, havia esse medo profundo de que eu não queria voltar a trabalhar porque eu pensava que isso iria me tirar a alegria. Eu sabia que era minha mente falando. Eu soube isso, mas pensei que eu apenas iria conversar com Norma. Todos vocês conhecem Norma Delaney ou Aandrah; eu pensei em apenas ter uma sessão com Norma e apenas me sentar em sua presença e apenas respirar e ter este retorno do medo de volta ao equilíbrio. E ela apenas me disse estas simples palavras, que eu sei, ela disse “Nada pode consumir você”. E eu pensei, obrigada. Por ouvir palavras vindas de fora que apenas me lembravam delas dentro de mim.

Você sabe, você não precisa ir à Índia para abrir seu coração. Você não precisa ir a parte alguma. Mas quando você permite estas experiências para si mesmo, oh meu deus, segure-as (ela ri). E não permita que nada distraia você.

Caso você vá ouvir o programa de Rupert Davis, com antecedência quero fazer a ele esta pergunta: Por que nós criamos a resistência? Por que nós criamos as distrações? E são apenas todas estas vidas de condicionamento e estar rodeada de pessoas que ainda são dedicadas a viver suas vidas na mente, e isso é ótimo. Você sabe, eles têm direito a isso.

Mas, quando nós verdadeiramente caminhamos nessas vidas como criadores alegres e amorosos, não há nada que realmente nos distancie mais do que nossa escolha de sermos distraídos. E mais e mais estas duas semanas na Índia me mostraram isso mais e mais. O quanto estou disposta a me distrair do meu amor-próprio. O quanto estou disposta a permitir esta bela energia do coração para apenas vir mais e fazer mais parte de minha vida. E as coisas que ela convidou enquanto estávamos viajando, o que convidou quando voltei para casa, tem sido apenas, oh... O Natal começou muito cedo para mim (ela ri).

E agora não vai, tampouco, terminar no dia 26 de Dezembro. Sim. Foi como aconteceu para mim. Ele manteve pequenas conversações comigo enquanto caminhávamos por aí e ele irá provavelmente – ele irá falar mais sobre isso nesta canalização.

É um lugar maravilhoso porque, como eu disse, se a Índia tem um lema ele deve ser “Nada sai como planejado, mas tudo é perfeito”. E não é este um modo maravilhoso de viver nossa vida, apenas sabendo que – apenas sabendo que nós não temos que planejar. Não precisamos de agenda. Podemos apenas estar aqui neste amor-próprio e nesta disposição de ter essa alegria em nossas vidas e apenas ver o que se revela. E isso bagunçou meu aspecto organizado, mas também voltou e, agora, este aspecto organizado meio que foi para esse maravilho equilíbrio em que não está mais tão fechado.

Eu compartilho uma casa como minha mãe e nós estamos reorganizando nossa cozinha e ela estava colocando as coisas de volta nos armários e dizia “Devo por isso nesta prateleira ou naquela?” E, normalmente, eu teria dito “Oh! Tenho que pensar sobre isso. Se estou usando isso onde estaria mais fácil para eu pegar?” E eu apenas olhei para ela e disse “não me importo” (ela ri).

Então é tipo deixar ir embora de mim todos estes pequenos detalhes, pairar sobre os detalhes e se estes estiverem certos, ok, a imagem está composta. Bem, não. Finalmente me dei conta disso.

Eu vou voltar. Vou voltar logo, porque eu preciso fazer isso - estou chamando a isso de pesquisa. Eu simplesmente preciso voltar e aproveitar um pouco mais da energia bonita de lá, porque além do da incrível experiência incrível alma que eu tive, é um país verdadeiramente belo. É sujo, é caótico, é louco e é belo e hipnotizante e, você sabe, a arquitetura e a arte e as pessoas são simplesmente belos.

Eu também permiti outra incrível dimensão de tempo que havia lá. Sendo multidimensional e estando presente ao mesmo tempo. E a melhor maneira que eu posso explicar isso para você é um dos primeiros lugares que eu fui e onde Kuthumi realmente levantou uma construção numa vida passada, quando ele era o Imperador e que foi o Forte Vermelho, em Nova Delhi, que é o maior - é incrível. Você caminha até ele e você se sente como se estivesse andando numa cena de Game of Thrones. É tão espetacular e é simplesmente fantástico..

À medida em que eu caminhava, de repente, eu estava vendo o Forte como ele foi, de verdade, um forte funcionando. Eu podia ver os guardas alinhados ao longo da parte superior do edifício com o seus arcos e flechas e espadas de lado. E enquanto andava pelos jardins, Kuthumi iria me mostrar como isto se parecia. Ele estava me dando tipo, você sabe, como quando você vai em algum lugar, num passeio ou galeria de arte e você coloca pequenos fones de ouvido e ouve um pequeno guia de áudio, enquanto você caminha, foi tipo isso.

Eu estava lá no momento. Eu via os turistas no agora. Apreciava o trabalho de reconstrução que estava acontecendo. Você podia ver o desgaste do tempo. Mas, num flash, eu podia simplesmente transferi-lo e podia apreciá-lo como era. Eu imaginava o que era passear pelos jardins como realeza. Foi tão perfeito ver isso e ainda estar realmente presente. Então, eu não fiz - talvez os meus companheiros de viagem possam argumentar contra isso, mas eu realmente senti que eu não perdi meu aterramento enquanto fazia isso.

Então, isso foi uma outra dimensão incrível disso, de eu iria entrar num monte desses lugares e ele me levaria de volta àquele momento.

Vou contar mais uma história antes de canalizar. Sinto muito, mas eu amo essa história, e tenho que contá-la.

Anos atrás, eu estava conversando com Norma Delaney e nós falávamos sobre a Índia, e ela que adorou o Taj Mahal, que é o mais belo monumento que eu já vi em toda a minha vida e é incrivelmente multidimensional. O único outro lugar em que me senti dessa forma em relação à uma construção foi no templo da rainha Hatshepsut, no Egito. E nas proximidades deste templo há outro forte, que Shah Jahan construiu, que Kuthumi construiu, como Imperador, e que também foi também a sua residência. E foi também o lugar onde ele foi mantido em cativeiro por seu filho durante os últimos oito anos de sua vida.

Norma me disse, sim, eu estive no lugar em que ele foi mantido em cativeiro e foi realmente um lugar de onde ele poderia olhar para o Taj Mahal. E eu sempre disse quando cheguei à Índia, quando eu cheguei à Agra, que eu estava tão indo experimentar esse momento. Eu queria estar naquele lugar.

Então, eu estou no forte e eu estou olhando para este quarto, que minha mente tinha imaginado como uma cela de prisão. Mas não era. Então, eu estou olhando para este quarto que, basicamente, não existia. Então eu circulo através do forte e eu saio e me encontro com meus amigos de novo e todos eles estavam ainda alegres, olhando ao redor. Eu disse: “Eu tenho que voltar e encontrar esta sala”.

Assim, eu entrei mais uma vez e na minha última orientação tinha me virado para a direita. Daí pensei, bem, desta vez eu vou virar à esquerda. E quando eu virei à esquerda, havia uma mulher idosa tipo agachada, e ela estava cuidando dos sapatos das pessoas que entravam e saíam desta passagem. Eu pensei: Eu me pergunto o que é isso Fui até lá e havia uma pequena placa que diziam que além daquela porta havia a mesquita para as mulheres do harém? - para a Imperatriz e as mulheres do harém. Foi construído especificamente para as mulheres. Nenhum homem jamais foi lá quando era uma mesquita em funcionamento.

Foi uau! prá mim! Tirei meus sapatos, entreguei-os à pequena dama e atravessei; e sou muito grata porque não havia mais ninguém lá dentro, pois eu estava dominada pelas energias. Comecei a soluçar. E a beleza e a energia do divino feminino de todas aquelas mulheres postas lá dentro, além do sentimento e o conhecimento de que eu estive lá antes, em outra vida, foi simplesmente incrível. Então, eu também compartilhei isso com Norma e a agradeci, porque se eu não tivesse sido tão descuidada na busca do quarto sobre o qual ela me falara, eu teria perdido esse outro.

Depois, eu vaguei de volta e realmente achei o espaço e não era uma cela de prisão. Na verdade, era um apartamento para todos os dias e muito grande. Todo de um belo mármore branco, com pedras preciosas e pedras coloridas embutidas. E ele realmente foi mantido em cativeiro nesta absolutamente magnífica área do forte. e ele me disse “Sim, foi aqui que eu passei meus último oito anos como prisioneiro”. Eu disse, “E tão grande e maravilho!” Ele retrucou “Sim, mas eu n'ao tinha meu poder e eu n'ao tinha minha liberdade”. E eu pensei “Oooh.”

Assim, tivemos muitos destes pequenos momentos. Então, sim, foi simplesmente a experiência mais maravilhosa e todas as vezes, você sabe, eu compartilhei um monte de coisas no Facebook e com os amigos através de pequenos vídeos e fotos. E eu odeio dizer isso a você. Se você estivesse me seguindo no Facebook, eu provavelmente compartilhei com você menos de um décimo do que eu estava experimentando.

Mas agora eu sei que vou escrever esses livros que foram definidos na Índia, porque depois de São Francisco, os próximos dois livros estão indo muito bem para serem definido na Índia. E eu estou realmente pensando em escrever esses livros na Índia. Eu realmente vou compartilhar com vocês muito mais do que se passou, mas eu acho que muitos de vocês sentiram além das palavras e das imagens que eu compartilhei de qualquer maneira. Então, sim.

JOEP: Sim, foi realmente grande.

MARISA: Sim. Eu disse que iríamos falar por cerca de cinco minutos e já se foram quase 20 minutos (eles riem).

JOEP: Mas é fascinante ouvir, você sabe.

MARISA: Eu posso continuar falando sobre a experiência para sempre. Apenas...sim. Toda vez que eu viajo, tenho uma experiência de mudança de vida. Esta foi, oh, isto foi - não vou nem chamar isso de mudança de vida. Vou colocar como uma quebra de universo (ela ri). Sinto-me como se tivesse num crescimento espiritual. É como todos nós termos aquele momento em que nos damos conta de que não somos mais crianças.

JOEP: Sim.

MARISA: É tipo assim o meu momento em que me dei conta disso, ei!, minha alma teve um crescimento junto comigo. Obrigada (ela ri).

JOEP: Sim, eu sei que isso soa como se você tivesse juntado algumas grandes peças de si mesmo e de sua alma na jornada.

MARISA: Totalmente. Totalmente e, você sabe, e isso foi porque eu estava disposta. Eu aceitei o convite para fazer isso. E é sobre isso que toda esta vida se trata. Você estende o convite para sua alma, mas permanece seguro de aceitar o convite de volta quando ela oferece coisas para você integrar (ela ri).

JOEP: Esta é a parte da canalização.

MARISA: Sim, esta é a parte da canalização! Com certeza é! Aceitar o convite. Totalmente.

Certo. Vamos fazer um pouco de respiração e ver o que Kuthumi tem a dizer. Eu já disse que não poderão chegar a muitas perguntas hoje, especialmente depois que fiquei 20 minutos falando sobre a minha viagem. Então, vamos ver o que ele tem a dizer. Mas se você tiver alguma dúvida não hesite. Coloque-a na sala de chat ou pode ligar e Joep irá certificar-se de que vamos dar uma olhada e responder isso para você. certo. Tudo certo. Estou apenas apertando alguns botões para me por de fora. Então, lá vamos nós. Então, Joep, se você não se importa de fazer um pouco de respiração e, daí, e daí Kuthumi está dizendo que eu finalmente terei algo a dizer (ela ri).

JOEP: Eu posso senti-lo a ficar impaciente (eles riem).

MARISA: Provavelmente todos os ouvintes também o estão.

JOEP: Sim.  Foi muito bom ouvir suas histórias. Elas me fizeram ficar arrepiado. Toda a estória sobre o forte. Aquilo foi impressionante.

MARISA: Obrigada.

JOEP: Então, apenas sente-se em sua cadeira. Sinta seus pés no chão e tome uma respiração profunda e apenas deixe as energias se acomodarem. Toda essa energia que Marisa despertou, apenas traga-a de volta a você. Sinta-a em você. E convidamos a sua alma a ouvir e se conectar. Já há um grande grupo de nós, ouvindo ao vivo, e mais todos aqueles que estarão ouvindo ou lendo isto no futuro. Vocês estão todos aqui neste momento do Agora, de modo que respirem isso..

(pausa)

E amos dar as boas-vindas a Kuthumi neste espaço.

KUTHUMI: Namaste e muito obrigado. Muito obrigado.

JOEP: Namaste.

KUTHUMI: Começar, terminar. Namaste. Começar e terminar mas, tudo retorna a isso. Eu Sou o que Eu Sou, bem aqui, bem agora, em muito amor por mim mesmo e isso é tão bom quanto parece.

Sim, eu sou Kuthumi. Sim, eu sou iluminado e você também é. Você também é.

Aqui estamos nós nesta grande experiência, todos juntos nessa dimensão fabulosa que chamamos Terra. E você ainda tem essa alma infinita escolhendo cada segundo de experiência. Bem aqui, bem agora.
Ouça a chamada de sua alma.

(pausa)

Ela apenas quer abraçar você e vê-lo completo e pleno.

Eu dei notas à Marisa do quê vamos falar hoje, e tudo retorna a essa mensagem. O quanto você está disposto a deixar sua alma lhe abraçar? O quanto você está disposto a receber esse convite que ecoa dela de volta à você?

Apelamos para as nossas almas pela grandeza e majestade de ser um criador aqui, com consciência, e como você está disposto a aceitar o convite de sua alma para ser isso? Hum.

Há uma pergunta na sala de chat de alguém querendo uma atualização do corpo de luz. Aqui está sua atualização do corpo de luz a começar com todo mundo.

Sua atualização do corpo de luz está indo perfeita e maravilhosamente. Você está exatamente onde você está destinado a estar, porque está bem aqui, está escolhendo neste momento. Seu corpo de luz já está aqui com você. O quão disposto está você para abraçá-lo? O quão disposto está você a deixá-lo fazer parte de sua experiência?

(pausa)

Respire fundo com isso.

(pausa)

Nós sabemos respirar fundo para convidar nossa alma para dentro. Nós conhecemos esta bela e infinita energia.

Este é o seu corpo de luz. A combinação de tudo o que você é para estar aqui em equilíbrio e majestade e na consciência absoluta de que você cria a sua experiência.

(pause)

Não há resistência da parte de seu corpo de luz ou sua alma. Eles são um e o mesmo. Eles estão apenas esperando sua disposição para receber e permiti-los entrar. Então, Joep, sim, você estava certo. Essa é a parte mais difícil - aceitar o convite de volta. Nós somos grandes em oferecer amor para o lado de fora. Então, por que é tão difícil receber?

(pausa)

Por que é tão difícil receber?

Vamos ser um pouco mais consciente, por um tempo. Vamos pensar em todas essas vezes, quando alguém lhe ofereceu amor, bondade, generosidade e vocês não estavam dispostos a receber.

(pausa)

As vozes vêm e dizem que ainda já algo a ser capturado. Elas querem algo. E mesmo agora, com a sua espiritualidade, oh, eles estão se alimentando.

Tome uma respiração profunda comigo por um momento e pense sobre todas essas vozes que estão apreciando dizer a você que você não é digno.

(pausa)

Às vezes, no passado, quando você foi corajoso o suficiente para aceitar o convite, talvez não foi tão bem. Nada disso é desculpa, agora. Nenhuma destas vezes representa uma barreira. Nenhuma delas deve alimentar a resistência. Em cada momento você é digno e grandioso para receber muito amor, para receber sua alma, para receber seu corpo de luz e todos os dons que ele tem para oferecer.

(pausa)

Nós despendemos muitas vidas a colocar algemas em nosso coração, envolvendo-o, protegendo-o e, camada por camada, o mantivemos nós deixamos isso, agora. Mas, ainda queremos mantê-lo fechado e apertado.

Mas apenas imagine seu coração livre. Bem aberto e disposto a receber. E você aqui com esta grande consciência de si, neste momento, como o criador, com a alma ... conduzindo e sabendo que não há nada - nada que possa prejudicá-lo. Não há nada que jamais você precisa fazer para desligá-la novamente.

Sinta esta bela luz de sua alma. Esta luz de seu coração que resplandece são vermelha e tão brilhante e tão cálida. E quando você deixar ir, sem limites, com apenas a disposição de receber muito mais alegria e amor de volta, não há nada – nada que irá ofuscá-la.

(pausa)

E foi porque eu construí meu grande monumento em Agra, Índia. Quando construí este belo monumento, as pessoas me disseram que ele seria destruído. O próximo imperador iria derrubá-lo pelas pedras e as joias. E eu disse "Não, porque eles saberão que se fizerem isso estarão destruindo o puro amor. Nada” Nenhum ser na Terra pode ousar – ousaria fazer isso. E eu estava certo. Ele ainda está lá. (Kuthumi ri)

Os que vieram depois de mim, o miraram. viram sua grandeza e souberam que se tocassem numa pedra dessa construção, pagariam uma eternidade em cada vida por vir.

Eu ri, porque às vezes é bom acreditar em karma. O karma protegeu meu belo Taj Mahal. Às vezes, o medo pode ser uma coisa boa quando protege as coisas que você ama (Kuthumi ri). Oh, eu discordo.

(pausa)

As pessoas chegam e se dirigem para aquele belo monumento e sentem a profundidade da energia do coração nele. Eu construí isso sem medo. Eu o construí de forma tão aberta, com meu coração luz incandescente. Mas não há nada na Terra que já reproduziu o amor que ele abraça.

(pausa)

E as pessoas vão lá agora e alguns veem apenas uma construção mas, outros veem muito mais. Muito, muito mais.

(pausa)

Então, sim, o quanto você está disposto a realmente deixar o seu coração aberto, para saber que não há nada que você precisa para fechá-lo. Sem mais grilhões. Sem mais envolvê-lo em algodão. Não mais ficar de pé diante com sua espada. Deixe seu coração aberto. Deixe que a luz brilhe tão brilhantemente que cegue quem se atrever a prejudicá-lo.

Você está seguro e você está livre porque você escolheu que seja assim. Isto é o que eu escolho. É assim que eu vivo. É assim que eu sou.

(pausa)

E eu posso sentir as pessoas dizendo “Oh, mas, mas, mas… Eu tenho tentado isso”. Tente de novo (Kuthumi ri). Se você tenta conduzir uma bicicleta e cai e alguém diz “Venha e conduza uma bicicleta” e você diz “mas eu caí”. Tudo bem, Volte e monte de novo.

Porque cada vez que você escolher, cada vez que você diz: “É assim que eu sou”, isso se torna mais. Toda vez que você diz isso, uma outra parte de você chega em casa para ver a alegria disso.

(pausa)

Vamos acabar com a palavra “resistência”. Vamos substituí-la por histórias. Cada parte de você que quer resistir isso, que tem questiona, é uma história que você escreveu, que lhe você serviu e divertiu você, protegeu você, o ajudou a sobreviver. Vamos reescrever a história. Vamos dar-lhes um novo final ou, melhor ainda, um novo começo.

Eu Sou o que Eu Sou, bem aqui, bem agora, em muito amor por mim mesmo e meu coração está tão aberto e livre que nada irá fechá-lo nunca mais. E eu faço isso antes e acima de tudo para me amar, para me mostrar a alegria de minha experiência. Esta é verdadeira radiância de um ser iluminado. Aquele cujo coração é tão aberto, tão radiante, tão disposto a receber.

(pausa)

Nada pode, nunca, impedir isso. Nada. Ahh!

Assim, obrigado por esta questão, minha querida Jeanine. Meio que nos levou para muito mais, não foi?

Vamos falar um pouco mais agora sobre outra coisa eu mostrei Marisa na Índia. Eu dei a ela uma nova palavra para brincar, bem, é uma palavra antiga, mas eu dei a ela com uma nova maneira de brincar.

Vocês têm sido tão maravilhosos ao escolher para estar aterrados. Eu escolho estar aqui. Eu escolho viver. Eu escolho interagir com a minha experiência. E eu mostrei Marisa uma nova maneira de ser isso.

Sim, eu sei que você quer estar aqui, eu disse a ela. Eu sei que você voou para a Índia, porque você quer mais desta experiência. Você quer brincar comigo aqui e saber mais sobre os meus segredos. Então, eu a convidei para fazer alguma coisa. Eu disse o quanto você está disposta a se envolver na experiência?
Uma coisa é andar e estar aterrado. Outra coisa é caminhar e estar consciente. Mas o que é verdadeiramente envolvente nesta experiência é outra coisa completamente diferente. O quanto você está disposto a brincar com as oportunidades que surgem em seu caminho? O quanto está disposta a permitir que os potenciais se desdobrem na vida que você escolhe?

Veja, no passado, tivemos a nossa iluminação e partimos porque, uma vez que soubemos que nós somos Deus e criamos, ficamos satisfeitos. E eu sei que isso soa irônico agora, porque vocês têm tudo o que escolheram e todos escolheram ficar aqui. E um monte de você está insatisfeito. Onde está a minha abundância? Onde está o meu amor? (Kuthumi ri) Onde está minha liberdade?

E eles estão todos aí. Estão todos aí. Mas, o quanto você tem estado disposto a realmente se envolver na experiência? O quanto está disposto a realmente olhar nos olhos de alguém, quando você fala com esse alguém e reconhecer sua alma? O quanto está disposto, quando você entra no supermercado, para parar, respirar e perguntar ao que seu corpo do que você precisa hoje? O quanto está disposto a tirar os sapatos e deixar seus pés sentirem a grama? O quanto está disposto a ser condescendente com seus sentidos e ser aquele ser sensual que pode deixar o corpo físico ser sobrecarregado por sua conexão com esta dimensão?

Então, sim, você abriu esta bela conexão de alma, esta bela espiritualidade, seu despertar, sua consciência, todas essas palavras, boa, boa, boa (Kuthumi ri). O quanto está disposto agora a realmente ser a incorporação disso e ser a interação encarnada?

Eu sei que muitos de vocês estão dizendo: eu só quero ir e me esconder na minha caverna e estar com a minha energia Eu Sou. Minha energia do Eu Sou. Não é maravilhoso? Eu posso respirar e eu sinto o Eu Sou e eu sou tão íntimo. Sim! Sim você é. Agora traga essa energia de volta para experimentar a vida aqui como o humano, de uma nova maneira.

(pausa)

Marisa está me dizendo, bem, você realmente deve nos dizer um pouco mais sobre como fazer isso. E, sim, eu provavelmente deveria, mas uma parte de mim está dizendo que eu adoraria que você descobrisse como é que você escolheria realmente se envolver na vida. É sobre a criação de arte? Trata-se de apenas de sair de casa? É sobre estar ciente do que você coloca prá dentro do seu corpo?

O que é neste momento de tempo está impedindo você de se envolver na vida? Isso vai tirá-lo Facebook ou do computador, para realmente começar a escrever suas próprias palavras?

(pausa)

Isso vai tirá-lo de ser a vítima e, finalmente, viver  sua vida como um criador. O que será necessário para que você possa aceitar o convite para participar nesta vida e nesta dimensão que você criou?

(pausa)

Não mais isto de “estou fazendo errado”. Que tal agora isso se tornar “eu me empenho então posso permitir”.

É tipo um jeito de entrar na escolha que todos vocês fizeram de “eu escolho viver e eu vou estar aqui”. Agora vamos entrar realmente no como você vai estar aqui - caminhar como humano encarnado e apenas convidando continuamente mais alegria e grandeza em sua vida.

Agora, o que me perturba algumas vezes com relação aos humanos é que vocês se preparam para um tipo de padrão mental de, bem, que isso significa dinheiro, significa viagem, significa ter uma certa forma de corpo. Eu realmente quero que você volte para o engajamento energético com a vida. Eu realmente quero que se envolvam com o amor-próprio. Eu realmente quero recebê-lo. Eu realmente quero me envolver com a alegria da vida. Eu quero me envolver com a abundância que não se trata de dinheiro. A abundância de amor, a abundância de experiência, a abundância de simplesmente estar disposto a ver o que há em volta de mim.

O quanto está disposto a se dedicar a essa experiência que você tem constantemente chamado para si? O quanto está disposto a aceitar o convite que você enviou, no início de seu despertar? Eu amo tanto o minha querida amiga Aandrah e eu conversamos sobre esse despertador espiritual, que se apaga depois de vidas de não estar consciente, de vidas dirigidas pela mente, estes tubos que sobem e lhe perguntam “qual é minha verdade?”

Você já fez isso em outras vidas quando respondeu à pergunta. Você sentou-se nas cavernas nas Escolas de Mistério, e você respondeu à pergunta e você soube a verdade. Eu Sou o que Sou.

E agora você tem esta oportunidade maravilhosa de fazer isso enquanto ainda interage e se envolve na vida. Eu Sou o que Eu Sou e eu ainda posso ter um emprego. Eu ainda posso pagar minhas contas. Mas essas coisas não me levam para baixo e não diminuem a experiência de viver como um Mestre encarnado.

Eu posso viver com gentileza e eu posso ser forte quando preciso. Eu sei quando me dar um tempo para ficar quieto e eu sei quando sair para uma festa. (Kuthumi ri).

Porque todos os dias eu ofereço a mim mesmo o amor absoluto de saber que quem eu sou bem agora e que é perfeito e incrível. E quanto mais eu aceito o amor-próprio, mais sinto a verdade de quem eu sou – uma bela alma escolhendo experiência.

Eu posso apenas ficar aqui nesta dimensão e me envolver com ela e realmente conhecer a alegria de estar aqui em amor-próprio e compaixão. E não importa o que está acontecendo ao meu redor como as guerras, problemas familiares, contas a pagar, eu ainda posso voltar a esse amor e esse equilíbrio, porque esse é o meu direito e eu sou digno. E sou digno.

Respire fundo com isso.

A simplicidade de permitir uma vida dirigida pela alma é apenas um convite para mais alegria e amor na sua vida. E não há nada mais importante que isso.

Minha alma agora está aqui para me consertar. Não está aqui para fazer as pazes. Minha alma está aqui para me lembrar que eu sou esta pura peça de energia escolhendo experiência; e tudo é perfeito e maravilhoso porque isto é tão bom quanto parece.

Respire profundamente. Respire fundo neste amor-próprio e deixe-o se irradiar através de você como se seu coração só quisesse se abrir. As correntes se rompem e você sabe que não há nada – não há nada mais importante do que deixar seu coração resplandecer.

Respire fundo. Respire fundo.

Obrigado por isso. Joep, temos algumas perguntas a responder antes de nos movermos para nosso próximo pequeno tópico, sobre o qual nós vamos falar? Acredito que este seja um momento agradável para tomar umas perguntas.

JOEP: Certo. De fato, temos uma chamada com uma pergunta, então vou trazê-la. Chamada cujos últimos números são 6302. Você está no ar. Está aí?

MELANIE: Oi Kuthumi! Meu nome é Melanie.

JOEP: Oi Melanie. Qual é sua pergunta para Kuthumi?

MELANIE: Oh! Muito obrigada. Eu gostaria de perguntar a Kuthumi como melhor endereçar meu medo de dirigir meu carro.

KUTHUMI: Oooh! Que pergunta fabulosa. É uma pergunta bastante humana, mas maravilhosa, não é?

Então, aqui está a coisa. Nós falamos sobre ter um monte de estórias fabulosas. Assim, você tem uma estória na sua cabeça sobre o que vai acontecer com você quando entrar neste carro?

MELANIE: Eu tenho. Tenho a impressão de que cada ver que estou no carro, dirigindo, minha mente pode sair fora e eu não terei o controle de minha mente, e isso é terrivelmente não seguro quando você está voando na autoestrada.

KUTHUMI: Ok. Então, a coisa maravilhosa aqui é que sua mente está realmente simplesmente usando seu carro como desculpa para envolver você num pouco mais de drama com isso. (Kuthumi ri).

MELANIE: Sim, é muito isso.

KUTHUMI: Certo. Então, o que está acontecendo é - e você vai notar que isso acontece muito, e eu mostrei isso para Marisa nos últimos dois meses. Sua mente gosta de vir distraí-lo ou fazê-lo pensar que você é pequeno e não tem - Eu vou usar a palavra poder ou controle. E é uma maneira maravilhosa como ela faz isso para distraí-lo de ser um verdadeiro criador, porque se ela o faz é porque você ainda acredita ser vítima de algo sobre o que não tem nenhum controle. E ela faz isso de forma maravilhosa.

Por isso, o que acontece com você, acontece com todos, no seu caso específico é seu carro. Há outras coisas. Para algumas pessoas será o minuto que atravessam a porta de seu trabalho. Para outras pessoas, será o momento em que aparece um dos pais para visitas. A mente vai usar isso quase como - é como treinar um cão. Você sabe quando um cão faz algo bom e você joga um biscoito (eles riem). E talvez – oh, talvez – você sabe, e eles também compreendem isso, é o momento do dia em que há alimentação. Logo, eles retornam para suas tigelas, prontas a que você coloque comida para eles.

Sua mente meio que faz isso com você, energeticamente. É neste momento do dia -– isto é, quando eu costumo enviar esses pensamentos para ela. Ela está prestes a entrar no carro. Esta é a minha maneira de ir e mexer com ela um pouco.

MELANIE: Muita coisa, na verdade.

KUTHUMI: Sim, muito. Totalmente. E é maravilhoso que eu esteja tão feliz por você ter feito pergunta, porque chega um ponto em que você atinge a capacidade de pico, onde, de repente, você está tão - porque você é uma pessoa consciente, você está ciente de que agora isso é apenas louco e fora de equilíbrio, porque é isso o tempo todo. É tipo um ótimo lugar para se ficar, porque é como aquele pequeno pontapé a dizer que eu tenho que fazer alguma coisa sobre isso, porque não é racional e está fora de equilíbrio.

Logo, aí está a coisa. Esta pequena estória que está acontecendo, ela traz também um monte de energia, não é?

MELANIE: Oh, ela traz! Ela traz e está bloqueando muitos outros aspectos de minha vida.

KUTHUMI: É muito cansativo.

MELANIE: Sim, muito cansativo.

KUTHUMI: Completamente. E,então, é o que isso faz. Este é o condicionamento no qual temos estado por vidas, quando a mente diz “Uau, ela tipo está indo muito bem sem mim. Ela está se livrando de um monte de estórias, mas, nossa!, eu consegui este ponto por onde passar” (Kuthumi ri). E isso acontece com todo mundo de certa maneira. Haverá uma parte que dirá “este é o meu jeito de entrar, de conectar”.

Assim, mesmo que você tendo essa conversa comigo, com essa consciência, essa pequena história está indo, “Oh! Ohh! Ela tipo sabe o que está acontecendo agora”.

MELANIE: De fato, meu plexo solar está dizendo isso.

KUTHUMI: Totalmente.

MELANIE: Meu plexo solar está tendo um ajuste.

KUTHUMI: Totalmente, porque é onde ela [a mente] vai impedi-la, com certeza. Porque está bloqueando você de penetrar e respirar no mais profundo, para apenas liberar isso. É aí que você vai acertar – é meio que um pequeno ponto de resistência.

Logo, aqui está a coisa. Toda vez que você quiser entrar no carro ou você pensar sobre o carro e que a história pipocar – “Oh querida, isso é perigoso. Oh, meu deus; oh meu deus; oh, meu deus”. E “você não deveria estar fazendo isso e você não deveria vir aqui”. Você deve tomar esta respiração até embaixo e o plexo solar provavelmente vai “Ekk!” porque ele quer, está dizendo “mas, ei, nós gostamos desta estória. Nós brincamos dessa história o tempo todo”.

E você simplesmente precisa dar esta respiração e dizer “Sabe, obrigada. Esta tem sido uma história realmente grande. Eu compreendo totalmente porque você continua fazendo isso, porque é um último bastião de minha mente tentando me levar de volta e sendo um pequeno humano”. E apenas agradeça a estória.

E então, você toma uma respiração e apenas relembra a si mesmo Eu Sou o que eu Sou. Eu sou o criador. Eu escolho minha experiência.

Eu gostaria de imaginar que você realmente não escolhe ter um acidente de carro ruim ou até mesmo um menor. Você concorda comigo?

MELANIE: Oh sim! Eu não preciso disso. Eu não preciso disso para mover energia, de forma nenhuma.

KUTHUMI: Obrigado. Você não precisa disso. Não, você não precisa disso para mover energia, de jeito nenhum. Mas aqui está a coisa, porque um monte de gente usa um acidente de carro como o ímpeto para mover a energia. Mas também para você, infelizmente, um acidente de carro apenas reforça a estória (eles riem). Tome esta respiração –  tomando esta respiração e dizendo “eu não escolho um acidente de carro. Escolho seu Eu”.

MELANIE: E a coisa louca sobre isso é que estou plenamente consciente de que sou uma excelente motorista.

KUTHUMI: Isso é bom.

MELANIE: Na verdade, não tenho medo do meu carro. Eu só estou com medo que minha mente faça de seu jeito comigo, enquanto estou dirigindo o carro.

KUTHUMI: Sim.

MELANIE: E é como eu não ter foco suficiente para controlar minha mente ao mesmo tempo em que presto atenção na direção.

KUTHUMI: Então, vamos fazer montes de respiração enquanto dirigimos e também é, apenas, encontrarmos pequenos jeitos para quando estes pequenos pensamentos surjam, tipo dizer, cai fora. Terminamos esta estória. Esta é minha nova estória.

Pode levar algum tempo, mas em geral é demasiado – eu fiz isso com Marisa
– quando o pensamento vinha prá cima e ela meio que  “Mesmo?! Nós já fizemos isso. Vamos em frente. Pensei que já tínhamos liberado isso”. Então, você realmente tem uma pequena conversa com ela [a mente] e a deixa ir, basta ter a consciência de que não é realmente a sua verdade.

É apenas a velha estória pipocando.

E isso pode levar algum tempo, porque a mente ama seu condicionamento, ama suas estórias. Para um monte de gente há um certo tempo do dia - estou falando com todos, em geral, agora. Haverá determinados momentos do dia em que os mesmos pensamentos entram.

MELANIE: Por que é assim?

KUTHUMI: Porque ela apenas sabe que é o momento de vir e perturbar você.

MELANIE: Certo.

KUTHUMI: E como humanos, tendemos – e como humanos nos tornamos muito habituais. Os hábitos são confortáveis porque nós conhecemos seus padrões e rotinas e nos assusta muito mudar padrões e rotinas, porque isso convida o desconhecido. Logo, de vez em quando, mesmo tendo estes estúpidos padrões de pensamentos que amam nos bagunçar, há  certo conforto nisso para o humano, porque, pelo menos, você os conhece e pode predizê-los e sabe como funcionam.

Então é também um pouco de se eu deixar ir este padrão de pensamento, que inferno eu vou convidar para substituí-lo? Bem, a resposta para isso, seja o que for que queira substituir, é  “Nossa, eu vou tomar esta respiração profunda e apenas me lembrar que eu sou um ser amado, equilibrado, grande que não precisa ser distraído por estas pequenas estórias bobas” (Kuthumi ri). Como isso soa?

MELANIE: Certo.

KUTHUMI: Logo, esteja apenas consciente. Quando os pensamentos pipocarem, é apenas um lembrete “Dê um tempo. Você não me serve do jeito que estou escolhendo minha experiência. Obrigado por pensar que sim. Obrigado por como você me serviu no passado, me entretendo, mas nós terminamos com isso”.

Algumas vezes é como terminar com um parceiros realmente necessitados. E daí, dois dias depois, enviar-lhes uma mensagem de texto (Kuthumi ri).

MELANIE: Hum, hum. Certo.

KUTHUMI: Logo, você pode lhes enviar uma mensagem que seja realmente ouvida, nós rompemos. Tivemos um ótimo tempo…

MELANIE: Sim, vamos fazer a coisa nova, agora.

KUTHUMI: Vamos fazer a coisa nova, obrigado. E obrigado por – esta é a coisa mais perfeita que você pode dizer. Estou feliz que tenha dito por si mesma. Mas é meio que eu estou escolhendo diferente.

E esquecemos que podemos escolher isso.

MELANIE: Sim. Quero substituir todos os padrões de minha vida, e estou me conscientizando muito dos padrões. Eu quero ser a… Eu quero ser a fazedora de padrões, agora.

KUTHUMI: Você é a fazedora de padrões, agora, porque você é o maestro da orquestra. Você é o diretor do filme. E é tão maravilhoso quando você começa a estar ciente dos padrões, é também assustador, mas é tão liberador, porque estes padrões são como correntes à sua liberdade. São como correntes à sua criatividade. Assim, assim que reconhecemos os padrões que não servem mais à nossa escolha de ser o maestro, de ser o fazedor de padrões, de ser o diretor, eles começam a cair. E, então, você gentilmente os substitui.

Então, em que um lugar maravilhoso você está. Este é um momento emocionante. Como é maravilhoso, e eu realmente quero felicitá-la por, mesmo ciente de que tinha esta história sobre o medo de dirigir, você sabia que não era a sua verdade. Então divirta-se quando eles vierem prá cima e apenas esteja ciente de que eles vão ser aqueles que realmente querem ficar em volta, e você continua a enviar a mensagem – “Estamos escolhendo diferente. Estamos escolhendo diferente, agora”.

MELANIE: Bem, pode ser difícil ensinar um novo truque a um velho cão, mas isso pode ser feito.

KUTHUMI: As vezes é melhor tirar o cachorro e pegar um filhote (eles riem). E meu aspecto São Francisco está horrorizado com isso, mas isto foi simplesmente o que senti necessidade de dizer neste momento. Algumas vezes, você apenas vai dizer coisas e é como eles precisam ouvir isso. Talvez não você, talvez mais alguém (Kuthumi ri).

MELANIE: Isso de fato tem significado para mim. Então, obrigada.

KUTHUMI: Certo. Bem, lá vamos nós. Obrigado, Melanie, por sua chamada.

MELANIE: Obrigada, Marisa. Obrigada, Kuthumi.

KUTHUMI: Obrigado. Até logo.

JOEP: Obrigado, Melanie. Kuthumi, você quer outra pergunta?

KUTHUMI: Sim, vamos a outra pergunta. Mas esta foi uma grande pergunta – sim, foi uma grande pergunta, então, vamos adiante. Próxima pergunta.

JOEP: Certo. Tenho uma pergunta de Michaela que você meio que respondeu, mas talvez você queira olhar dentro da energia dela e lhe dizer algo específico.

PERGUNTA: Eu tenho a sensação de que a minha alma deseja dar as boas-vindas a mais alegria, risos e brincadeiras em minha vida. Kuthumi, você é o meu padrão radiante disso. Quer dar algumas dicas como posso me abrir e incorporar esses estados mais leves de ser?

KUTHUMI: Oh! O que você disse que sente que sua alma está convidando. Isso é tudo que sua alma quer para você. Sua alma só quer que você viva uma vida de alegria e de experiência e admiração e reverência a quem você é, porque é assim que a sua alma o vê. Sua alma está em constante alegria e espanto e admiração de tudo o que vocês são, mesmo quando você está tendo um dia ruim, mesmo quando está questionando a si mesmo.

Então, como deixar mais disso vir? O quanto está disposto a deixá-lo vir? Esteja disposto. E é aí que todos nós ficamos presos. É como, bem, eu estou disposto, então porque não está aqui? E, você sabe, é apenas você questionando sua criatividade.

No momento em que você questiona sua criatividade, você está, na verdade, meio que empurrando-a para longe. Então, quando você me diz: "Eu sou o seu padrão de alegria e radiância", é porque a cada momento estou constantemente a oferecer-me amor e compaixão. Como Marisa disse que mesmo no chão do banheiro ela me questionou. Mas eu estava tão comprometido a viver esta vida de ascensão encarnada, que a única opção que eu tinha era de voltar a oferecer o amor e compaixão e dizer: "Neste momento, tudo é perfeito." E naquele momento eu era capaz de permitir a alegria de ver o quão engraçado era eu ter ficado doente (Kuthumi ri) e permiti a mim mesmo sonhar com a lembrança de que meu corpo sabia como retornar ao equilíbrio.

A cada momento que você oferece a si mesmo amor e compaixão, você está deixando de ser vítima das circunstâncias. Você está dizendo a si mesmo: "Eu sou o grande criador." Eu sou o grande criador. E em outras vidas, convidou o mal e a escuridão e a riqueza além do significado de poder e controle. Mas nesta vida pode ser o convite para a alegria e amor.

E a coisa maravilhosa é que o resplendor que todos vocês vem em mim, eu faço por mim, eu não ofereço isso para você. Mas eu sou assim - tão cheio de meu amor e alegria por quem eu sou e o que eu já criei e que eu estou criando e o que vou criar, que é assim que você vê minha energia.

Não escolha radiância para outros a vejam em você. Escolha a radiância pelos presentes que continuamente ela vai lhe oferecer.

Eu Sou o que Eu Sou em muito amor por mim mesmo, porque isso constantemente me dá os presentes de alegria e maravilha e reverência na minha experiência.

E eu sei que há dias em que é difícil, quando se é humano, porque você projetou esta dimensão fantástica com tantas distrações. Então, muitas distrações. Oh! Todos vocês devem vir para a Índia comigo e ver todas as distrações de lá.

Mas se você ficar debaixo das distrações, ver através das distrações para encarar esta tessitura intrincada, este mosaico surpreendente de energias que criam esta dimensão, você pode selecionar quais os pedaços que deseja para si mesmo.

É como olhar para uma grande pintura. É um quebra-cabeças. Você não precisa de cada peça do quebra-cabeça para sua alegria e seu maravilhoso tempo aqui. Pegue as peças que quiser.

(pausa)

Para permitir a alegria e a maravilha em sua vida, oferecê-la a si mesmo em primeiro lugar. Tudo que você já fez ou foi ou será é perfeito e incrível. Como eu me vejo, eu olho para trás sobre minhas vidas passadas, eu não vejo nenhuma delas como falha. Vejo cada uma delas como uma experiência fascinante onde reuni mais conhecimento e sabedoria para saber mais de mim. Para saber mais de mim, e isso me libertou.

Eu estava livre dos dogmas e do karma. Eu estava livre da crença. Mas acima de tudo eu estava livre das expectativas que eu tinha sobre mim. Eu estava livre de precisar das palavras de outra pessoa para me curar.

Ao contrário, o que eu escolhi era isso. Eu escolho a cada momento da minha vida ser um lembrete do amor que está pronto e disposto a ser parte da minha experiência. Em todos os momentos, não importa o que está diante de mim, eu verei o dom de viver a minha vida com a minha alma aqui e bem perto.

Eu sei que eu sou digno de toda a dádiva que esta experiência tem para oferecer, e cada presente será preenchido com alegria, porque eu sou digno.

Ouça com atenção qualquer uma das histórias que queira entrar para lhe dizer que você não é digno. Agradeça-lhes o tempo. Agradeça-lhes a parte que lhes cabe; em seguida, lembre-se de dizer: "Isto é como eu escolho viver agora. Eu estou a me amar mais e mais a cada dia, e eu estou disposto a receber os dons que me serão oferecidos”. Obrigado.

JOEP: Obrigado, Kuthumi. Temos mais algumas perguntas, a não ser que você queira passar para outro tópico.

KUTHUMI: Eu quero passar para este outro pequeno tópico, porque é algo que Marisa tem perguntado. Isto pode ser muito rápido e então voltaremos para mais algumas perguntas. Vamos ver.

JOEP: Certo.

KUTHUMI: Chegaram algumas perguntas ultimamente e o mesmo aconteceu em torno de você sabe, - um monte de perguntas sobre a Ferida de Isis ou a separação do feminino e do masculino. Para um grande número de mulheres no momento tem havido um monte de questionamentos sobre sua identidade como mulher.

Então, eu adoraria que todos pudessem respirar comigo. Mesmo se você é homem, quero que todos nós apenas respiremos em nossas crenças em torno da identidade de nossos sexos. Não vamos nem fazer apenas isso sobre o feminino divino. Vamos fazer isso sobre nossas identidades enquanto gênero.

Por muito tempo nos foi dito que isto e aquilo é o que é uma mulher, isso é o que um homem é, e estas partes jogam muito bem. Há diferenças. Há pontos fortes e fracos em ambos, ambos estão lá para se complementarem.

Há aqueles que vivem suas vidas num equilíbrio. Há aqueles que vivem suas vidas com de forma mais desequilibrada.

Mas, eu quero que você sinta o que nos foi ensinado do que significa estar dentro de um gênero. Sentindo onde estão alguns limites em sua vida; e como eles possivelmente estão ligados a algumas histórias muito antigas em torno do que o seu sexo tem direito, o que se espera dele, como devem se comportar. É uma restrição muito profunda sobre a nossa liberdade de viver aqui e ser quem somos.

Alguns de vocês estão explodindo muitas destas limitações. Eu só quero abrir o convite. Iremos nisso de forma um pouco mais profunda em outra canalização, num outro dia. Mas eu só quero convidar as pessoas a realmente estar cientes de que ainda existem algumas histórias profundas, algumas profundas histórias, bem profundas, em torno de quaisquer limitações, criando quaisquer limitações que você tenha agora, nesta vida. E comigo, agora, apenas as convide a ser livres.

Algumas mulheres têm limitações na sua abundância devido a temores de que ela lhe será tomada, por causa de vidas passadas, quando as mulheres não tinham direito de serem abundantes. Os homens têm medo de que não estejam realmente vivendo seu sexo, se eles não estiverem provendo tanto quanto deveriam, que não possam ter uma suavidade em suas vidas, que as mulheres não podem ser fortes e se expressar..

Houve um monte de foco sobre isso no mundo no último ano e as coisas começam a ficar abaladas. Mas não vamos nos focalizar nesses grandes cenários. Concentre-se sobre alguma história que pode estar pendurado em você.

Eu vou sair deste assunto, por ora. Vejamos se é possível tem mais duas perguntas rápidas. Nosso time está escapando de nós, hoje, Joep, mas tudo está bem. Cobrimos algumas grandes coisas.

JOEP: Certo, temos uma outra chamada. Últimos quatro dígitos 1313. Você está no ar.

CHAMADA 1313 (mulher): Oh minha deusa, Kuthumi! Como está você?

KUTHUMI: Muito bem.

CHAMADA 1313: Então, minha pergunta é, você sabe, por anos tenho vontade de me mudar para o Oregon, e agora eu estou aqui. Ó meu Deus! Eu estou realmente aqui!

KUTHUMI: Bem, parabéns.

CHAMADA 1313: E minha casa é bonita! E é quase como se fosse agradável demais, onde eu estou. E minha pergunta era a primeira coisa que você estava falando era, ok, então eu estou aqui e está tudo certo e é maravilhoso! E eu não tenho um emprego. O que eu faço agora? (ela ri).

KUTHUMI: É isso. Então, antes de mais nada, as coisas se desenrolam perfeitamente para colocá-la no lugar perfeito no momento perfeito, na hora certa. Então, basta confiar que vai acontecer o mesmo com o trabalho, até porque quanto mais você confia em sua criatividade, mais a criatividade irá atendê-la. E é realmente difícil sair dessa mentalidade de, bem, isso precisa acontecer neste período; é assim que eu imagino que seja. Isso está voltando para essa confiança o tempo todo. Isso vai se desdobrar perfeitamente, porque eu estou escolhendo diferente. Eu estou escolhendo a vida na Nova Energia. Então, de que outra forma pode a vida ser?

É meio que apenar dar o início nessa mentalidade. É parte dessa coisa. Como diz o velho ditado - esperando pelo outro sapato para largar.

E é assim este condicionamento que todos nós temos ao longo de vidas. Tem que haver uma pegadinha. Isto não pode continuar para sempre. A vida é em ciclos. Há altos e baixos, e nós temos o bom, por isso temos que ter o ruim, para que possamos apreciar o bom.

Bem, que tal apenas dizermos: "Que tal se me basta escolher mais e mais essa alegria e maravilha e este incrível desdobramento e apenas estar disposto a receber isso?”

CHAMADA 1313: Isso funciona para mim.

KUTHUMI: Isso não soa muito – isso não soa muito simples? (ela ri) Porque a coisa é a maneira que você deixa as coisas se desenrolarem, você pode apenas convidar mais disso. Eu acho que este é o lugar onde nós somos pegos no permitir, ou seja, nós pensamos que temos limites para o que podemos realmente convidar e permitir em nossas vidas, porque nós temos as palavras ganancioso e egoísta. E sabe do quê mais? Aparafuse essas palavras, porque na Nova Energia elas realmente não existem. Na Nova Energia é isso que eu escolho para realmente experimentar? Mais deste amor e desta alegria e desta maravilha! E, daí, não aparafuso sendo digno de mais qualquer coisa, aparafuso sendo egoísta e aparafuso me sentir culpado por ter algo. É realmente sobre abraçar o eu sou digno e estou disposto e quero mais. Não há problema em pedir mais quando se trata de uma vida de alegria e maravilha.
Logo, continue abraçando essa explosão de energia que chega. Oh! Há muito brilho em sua voz e em sua energia. Aproveite isso. Basta manter e deixar fluir. E se você se distrair com isso, é como se apenas se recordasse: "Eu permiti a minha vida e isso pode estar aqui para sempre. E eu posso sentir isso mais e posso permitir que se expanda, porque eu sou livre. Eu me libertei de tanta coisa e não há realmente nada que colocar essas algemas de volta no meu coração e na minha vida. Nada".

Obrigado, minha querida. Mantenha a criação e continue a partilhar sua criatividade.

Portanto, não vamos tirar mais dúvidas Joep. Eu vou terminar agora assim Marisa e você pode dizer adeus com tempo de sobra.

Assim, a última coisa, para eu terminar hoje, que prometi que iria falar, e eu sei que nós já conversamos muito sobre você criar, você permitir. Então, quando você começa a pedir ajuda? Não é só para mim no programa de rádio, porque você pode me perguntar qualquer momento. Eu sei que você não tem os seus guias e seus corredores mais. Mas há elementos de você, existem aspectos de vocês, que são os Mestres Ascensos. Há um aspecto de você que está me ouvindo agora dizendo: "Eu me lembro de tudo o que Kuthumi diz. Eu amo a sua sabedoria e sua alegria e seu brilho e sua boa aparência" (Kuthumi ri). Porque essa é a sua parte que também sou eu e que está falando com você agora através de alguém mais - este é seu aspecto.

Nós acreditamos, portanto, que as coisas fora de nós, essas coisas grandiosas, podem criar e apoiar e nos fornecer as coisas, e elas, de fato, podem, quando você para e se dá conta de que quando eu falo com Quan Yin, esta é a parte de mim com compaixão infinita, que só quer me apoiar e permitir minha alma. A parte de mim que quando eu me conecto com o Arcanjo Rafael, diz: "eu não tenho medo, porque eu sou grande e místico."

Chame esses seres, mas não os veja como alguém fora de você. Reconheça as qualidades que você acredita que eles possuem e compreenda que é simplesmente uma parte de você.

Chame por mim. E eu virei, e vamos rir juntos. Vou lembrá-lo da alegria e do amor que você tem dentro de você. Chame St. Germain sinta sua majestade e alquimia e saiba que isso já está dentro de você, simplesmente à disposição e pronto para deixar fluir a energia.

Peça ajuda, mas lembre-se que é apenas parte de você que você está abrindo e está disposta a receber, porque não importa a quem você pergunte, tudo volta a isto. O quanto está disposto a receber do amor e alegria que você pede à sua alma? O quão comprometido está para viver esta vida de um ser encarnado e ascendido?

Declare isso ao universo com seu coração bem aberto, de que não há nada que possa fazer além de receber.

Eu Sou o que Eu Sou, bem aqui, bem agora, em muito amor por mim mesmo, tão disposto e pronto a receber, que n]ao há nada que me faça impedir meu caminho. Grite isso para cada aspecto. Declare isso ao universo e assim será.

Sim, eu sou Kuthumi. Sim, estou dizendo até logo e, sim, eu sou iluminado. Namaste.

No hay comentarios.: